Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Praia de Imbetiba revive tempos de nostalgia com Festival de Cultura

Em 11/11/2009 às 11h29


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

Céu azul, sol quente, praia cheia e música de primeira. Foi assim que rolou o I Festival Macaé de Cultura, na Praia da Imbetiba entre os dias 5 a 7 de novembro, onde comemorou-se o Dia Mundial da Cultura.

Revivendo seus tempos áureos, a Imbetiba recebeu a visita de mais de 100 mil pessoas nos três dias de evento. Com aprovação geral, principalmente dos moradores, o festival trouxe de volta o macaense para o local que já foi palco memorável da história de Macaé.

O morador Luiz Amaro Rocha da Silva, declarou que a Imbetiba recebeu de braços abertos este evento e acrescentou: “Moro aqui desde que nasci, há 52 anos, e estávamos muito abandonados. Este festival está sendo uma forma de recriarmos a Imbetiba, já que ela tem uma história de sucesso. A minha mãe que já uma pessoa idosa, adorou a iniciativa.”

Um show à parte ficou por conta do público que além de prestigiar o evento, deu um exemplo de cidadania, lotando o espaço sem provocar uma briga sequer. “O clima não podia ser diferente. A grade de programação, a música e a sede do público em ter evento deste nível, foram os fatores preponderantes para o sucesso do evento, diz um frequentador assíduo da Praia de Imbetiba, Luis Antônio Amaral de 42 anos.

Para os representantes das instituições e restaurantes que participaram do festival, quando questionados que nota dariam ao evento, o 10 (dez) foi unânime, com uma única ressalva. “Que este seja o primeiro de muitos”.

“Acho que o público deu a resposta que precisávamos com relação ao festival. Esta nota aumentou com a participação e elogio dos moradores, que não cansavam de nos procurar e parabenizar. Gostaria de agradecer a participação de cada pessoa que passou na Imbetiba e também ao apoio das secretarias de Serviços Públicos, de Ordem Pública, de Saúde, de Meio Ambiente, a Mactran, a Coordenadoria Extraordinária de Defesa Civil, a subsecretaria de Fiscalização de Postura, a Guarda Municipal e a Emopi, além do Corpo de Bombeiro, a Polícia Militar e Civil”, frisa a presidente da Fundação Macaé de Cultura e Secretária de Cultura, Sheila Polly.

O evento foi encerrado com representantes das escolas de samba de Macaé e a banda Batukada Brasil, que juntos fizeram o público cantar, dançar e gritar o refrão da música do Rappa, Pescador de Iusões: “Valeu a pena, eh! Valeu a pena, eh!


    Compartilhe:


publicidade

View Site in Mobile | Classic
Share by: