Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Verão com praias impróprias

Apenas quatro delas tiveram os índices aprovados pelo Inea

Em 11/02/2016 às 10h55


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

Praia dos Cavaleiros é uma das mais procuradas pelos banhistas na cidade Praia dos Cavaleiros é uma das mais procuradas pelos banhistas na cidade
Considerado um dos verões mais quentes dos últimos tempos, esse ano as temperaturas elevadas e a sensação térmica de mais de 40ºC tem atraído ainda mais gente para as praias da cidade. No entanto, antes de dar aquele mergulho no mar é preciso estar atento às condições da água.

O crescimento de Macaé nos últimos anos, decorrente do fortalecimento da economia do petróleo, gerou impactos em vários aspectos, entre eles o ambiental. De acordo com estudos feitos pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea) ao longo da última década, é possível ver que a qualidade da água nas praias do município sofreu uma grande variação nesse período de tempo. 

Segundo um boletim recente divulgado pelo Inea - o de nº3 de 2 de fevereiro de 2016 - estão próprias para banho as praias dos Cavaleiros, Pecado, Campista e Imbetiba (trecho da Rua do Sacramento). 
Já na Imbetiba (trecho da Avenida Elias Agostinho), Forte, Barra, Aeroporto, Barreto, Lagomar e Lagoa de Imboassica, o banho deve ser evitado. O contato com essas águas contaminadas por esgoto doméstico pode expor os banhistas a bactérias, vírus e protozoários. 

O Inea também aconselha a todos que evitem tomar banho de mar, até mesmo nas praias com bons índices, nas 24 horas após as chuvas, pois, segundo o órgão, essas mudanças climáticas podem interferir na qualidade da água. A pessoa também deve evitar entrar na água em pontos próximos à saída da galeria de águas pluviais ou canais de drenagem. 
No município, a coleta de amostragem na água é feita geralmente no período que varia de 15 dias a um mês. Os testes de balneabilidade são feitos com base na Resolução nº 274/00 do Conselho Nacional do Meio Ambiente. 

De acordo com o Art. 2º, § 4º, são consideradas impróprias as praias que apresentam as seguintes ocorrências: não atendimento aos critérios estabelecidos para as águas próprias; valor obtido na última amostragem for superior a 2.500 coliformes fecais (termotolerantes) ou 2.000 Escherichia coli ou 400 enterococos por 100 mililitros; incidência elevada ou anormal, na região, de enfermidades transmissíveis por via hídrica, indicada pelas autoridades sanitárias; presença de resíduos ou despejos, sólidos ou líquidos, inclusive esgotos sanitários, óleos, graxas e outras substâncias, capazes de oferecer riscos à saúde ou tornar desagradável a recreação; pH < 6,0 ou pH > 9,0 (águas doces), à exceção das condições naturais; ?oração de algas ou outros organismos, até que se comprove que não oferecem riscos à saúde humana; outros fatores que contraindiquem, temporária ou permanentemente, o exercício da recreação de contato primário.

Autor: Marianna Fontes marifontes@odebateon.com.br

Foto: Wanderley Gil


    Compartilhe:

Tags: cidade


View Site in Mobile | Classic
Share by: