Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Caminhada no domingo destaca a importância da doação de órgãos

O evento acontece neste domingo (24), às 9h30, na Praia Campista, organizada pela sociedade civil

Em 23/09/2017 às 07h09


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

Setembro Verde será lembrado com uma caminhada, na Praia Campista Setembro Verde será lembrado com uma caminhada, na Praia Campista
Mês dedicado ao debate sobre a doação e o transplante de órgãos, o Setembro Verde será lembrado em Macaé com uma caminhada neste domingo (24), às 9h30, na Praia Campista. A ação, organizada pela sociedade civil, com o apoio da prefeitura, também é alusiva ao Dia Nacional da Doação de Órgãos, comemorada no dia 27 de setembro.
O Setembro Verde foi instituído com objetivo de estimular e intensificar o debate sobre a importância da doação de órgãos. A concentração será em frente ao Clube Cidade do Sol, às 9 horas, e o grupo seguirá até o posto dois, no espaço de convivência. Os participantes que desejarem poderão usar roupa verde no evento. 

A enfermeira e organizadora do evento, Fernanda Alencar, viveu em sua família a espera por um órgão. "A doação é um ato de solidariedade e de amor ao próximo e as pessoas que desejam doar seus órgãos devem comunicar a decisão à família e aos amigos", disse, acrescentando que a atual legislação prevê que as manifestações de vontade relativas à retirada "post mortem" de tecidos, órgãos e partes, constantes da Carteira de Identidade Civil e da Carteira Nacional de Habilitação, perdem sua validade a partir de 22 de dezembro de 2000. 

Ela ressalta que por isso, a importância de conversar e debater sobre o assunto, pois quando a pessoa manifesta em vida o desejo de ser doador, os familiares sempre respeitam a decisão para uma possível doação de órgãos. "A meta da caminhada é fazer com que o tema faça parte do dia a dia das pessoas", garantiu.

A Lei 10.211, de 23 de março de 2001, artigo quarto, determina que "a retirada de tecidos, órgãos e partes do corpo de pessoas falecidas para transplantes ou outra finalidade terapêutica, dependerá da autorização do cônjuge ou parente, maior de idade, obedecida a linha sucessória, reta ou colateral, até o segundo grau inclusive, firmada em documento subscrito por duas testemunhas presentes à verificação da morte".

Autor: O DEBATE

Foto: Rui Porto Filho


    Compartilhe:

Tags: cidade, social


View Site in Mobile | Classic
Share by: