Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Infraestrutura ainda é precária no Novo Horizonte

Problemas enfrentados pelos moradores vão desde a falta de pavimentação, falta de área de lazer, obra de escola abandonada e vazamento de água

Em 02/10/2017 às 11h17


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

Além das ruas, um campinho de barro é a única opção de lazer das crianças Além das ruas, um campinho de barro é a única opção de lazer das crianças
Esta semana, o Bairro em Debate vai mostrar as reivindicações dos moradores do Novo Horizonte. Desde que a equipe de reportagem do Jornal vem acompanhando as demandas do bairro, o que observa-se é que nada mudou em relação aos problemas já relatados por eles. Na oportunidade eles destacam que, apesar das inúmeras promessas, a melhoria que é bom, ainda não veio. E enquanto isso, o que resta é não perder  as esperanças. 

O bairro sofre um dos maiores contrastes sociais do município. Enquanto as belas residências chamam atenção no lado nobre, a parte carente fica escondida atrás de tantos problemas, esses que parecem estar invisíveis para quem passa por ali, principalmente o poder público.  Nem mesmo a área de lazer que é um direito de todos, as crianças podem usufruir. 

Água jorra no bairro evidenciando o desperdício  


E os problemas não param por aí. Enquanto diversos bairros da cidade sofrem com a precariedade quando o assunto é abastecimento de água, na manhã de sexta-feira (29) a equipe de reportagem do Jornal flagrou um enorme vazamento na Rua Porto Alegre, nº 749 - antiga Rua E. 

Uma situação que causa indignação não só aos moradores, mas a todos que sofrem com o problema no abastecimento. "É muito triste a gente ver tamanho desperdício. E não é só esse aqui no bairro. Muitos outros passam por essa mesma situação, os moradores convivem com o desperdício e em paralelo sem água em suas torneiras e são obrigados a recorrer aos caminhões-pipa mesmo sem poder", disse um morador. 

Área de lazer ainda é um sonho  

Enquanto o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) que trata do Direito à Educação, à Cultura, ao Esporte e ao Lazer, diz que a criança e o adolescente têm direito à educação, visando ao pleno desenvolvimento de sua pessoa, preparo para o exercício da cidadania e qualificação e que o Art. 59, aponta que "os municípios, com apoio dos estados e da União, estimularão e facilitarão a destinação de recursos e espaços para programações culturais, esportivas e de lazer voltadas para a infância e à juventude", no Novo Horizonte para brincar e não ter a infância perdida as crianças se aventuram nas calçadas e até mesmo nas ruas. 

Além das ruas, um campinho de barro é a única opção de lazer das crianças


O bairro não possui nenhum espaço próprio para os pequenos brincarem, sonharem e serem crianças. De acordo com os moradores, o mais próximo fica no Campo D'Oeste. 

Uma outra opção que eles têm para se divertirem é um campo de terra improvisado, que não oferece nenhum conforto e segurança para seus frequentadores. 

"Infelizmente essa é a nossa realidade. A gente não tem nem mesmo onde levar nossos filhos à tarde para brincar. A maioria dos bairros tem opção de lazer, mas aqui não, a gente se quiser tem que improvisar", lamentou um morador. 

Descarte irregular de lixos 

Ao passar pelo bairro é fácil encontrar terrenos tomados não só por matos, mas também por lixos e entulhos descartados de forma irregular. Situação essa que se torna ainda pior na parte mais carente do bairro e que também é motivo de preocupação porque, além das zoonoses, esse problema resulta em outras consequências, como, por exemplo, os alagamentos, comuns no bairro. 


Os lixos são descartados de forma irregular 


Em meio a tanto descarte irregular, pouco a pouco os famosos lixões vão se formando e transformando a realidade do bairro. Em algumas ruas é possível ver até materiais de obras em calçadas, situação que obriga os pedestres a desviarem pela rua. 

"A coleta de lixo aqui ainda é precária e com isso muitas vezes o próprio morador opta por descartar os lixos na rua, em terrenos. A gente sabe que  não é correto, mas vai fazer o quê?", questiona um morador. 

Falta de pavimentação 

Se de um lado, a área de lazer é um sonho distante da realidade e os terrenos e calçadas pouco a pouco vêm se tornando depósitos de lixos, de outro, a falta de pavimentação também causa indignação. Os moradores relatam que as ruas estão todas esburacadas e prejudicando cada vez mais a acessibilidade.


Sem pavimentação, buracos tomam conta das vias 


"Em algumas ruas os buracos conseguem ser mais que a própria pavimentação. E quando chove a situação piora ainda mais. Fica impossível transitar", disse uma moradora. 

Vale lembrar que a manutenção das vias está prevista dentro do Código Brasileiro de Trânsito (CBT), que garante que é dever das autoridades promover um trânsito seguro e de qualidade. De acordo com o Art. 1º, "o trânsito, em condições seguras, é um direito de todos e dever dos órgãos e entidades componentes do Sistema Nacional de Trânsito, a estes cabendo, no âmbito das respectivas competências, adotar as medidas destinadas a assegurar esse direito". 

Obra de Escola padrão segue abandonada 

Quando o assunto é educação, os  moradores também aguardam por uma atenção especial do governo. A Unidade que deveria ter sido entregue há três anos está longe de se tornar realidade da população local. Ela está orçada em R$ 7.433.383,13 e é considerada uma Escola Padrão.

Escola Padrão segue com obra abandonada 


Segundo denúncias feitas por moradores, o local que deveria estar em pleno funcionamento desde dezembro de 2014, não tem recebido nenhum tipo de atenção do poder público. 

"Um de nossos sonhos é ver essa escola ficar pronta, mas enquanto esse sonho não se torna realidade, muitos pais que ainda buscam por vagas para os filhos, em especial em unidades próximas às suas residências sofrem com a precariedade quando o assunto é educação. É triste ver uma obra como aquela sendo acabada no tempo. Muitas crianças já poderiam estar estudando lá e em meio a tanto descaso a gente ainda se pergunta se algum dia a obra será retomada e entregue à população", questiona um morador. 

A escola está sendo construída na Rua Dez, no Novo Horizonte e ao que tudo indica não tem previsão para conclusão assim como outras no município. 

"A sensação que temos a cada dia é que a cidade está abandonada. Os problemas estão por todo lado. E não é só na educação não, na saúde, no saneamento, em tudo. A gente sonha com escolas próximas a nossas casas para nossos filhos, mas esse sonho parece estar distante de se tornar realidade. A cada ano é só promessa e realização que é bom, nada. A cidade está com diversas obras de escolas paradas, são unidades que deveriam estar funcionando e atendendo os alunos. Só que eu saiba, existem mais ou menos umas três escolas na mesma situação, as obras foram paradas e nunca mais foram retomadas", relata outro morador. 

Autor: Juliane Reis Juliane@odebateon.com.br

Foto: Kaná Manhães


    Compartilhe:

Tags: bairros em debate


View Site in Mobile | Classic
Share by: