Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Moradores voltam a cobrar melhorias na Barra de Macaé

Problemas apontados há anos voltam a ser levantados pela população, que pede maior atenção do poder público

Em 13/11/2017 às 14h59


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

Presidente Rogélio Flores, ressalta que já perdeu as contas de quantos ofícios fez nesses anos Presidente Rogélio Flores, ressalta que já perdeu as contas de quantos ofícios fez nesses anos
"Há mais de cinco décadas, a Barra de Macaé clama por melhorias". É com essa frase que o presidente da associação de moradores, Rogélio Flores, começa essa edição do Bairros em Debate. Nascido e criado ali, ele conta que poucas mudanças foram feitas ao longo das últimas décadas.

Apesar de amar o bairro em que vive, Rogélio diz que o lugar teria tudo para ser um dos melhores para se viver em Macaé, não fossem os problemas enfrentados no dia a dia. Para isso, ele acredita que é preciso investimentos em infraestrutura por parte do poder público.

"São anos cobrando e melhoria que é bom, nada. Pouca coisa mudou e o que fizeram já precisa ser refeito porque está abandonado. São ofícios atrás de ofícios que nunca saem do papel. A gente pede apoio às autoridades e elas só prometem", lamenta.

A Barra de Macaé tem a vantagem de estar localizada a poucos minutos do Centro e ser o local onde fica situado o Estádio Cláudio Moacyr de Azevedo. O bairro também é cortado pela Rodovia Amaral Peixoto (RJ-106), uma das principais do estado.

Áreas de lazer sofrem com vandalismo 

Desde que foram revitalizadas, as praças do bairro foram alvos de pichações, e até de danos causados por uma minoria que não tem cuidado ou zelo pelo patrimônio público.

Sem ninguém para zelar pelo patrimônio, áreas de lazer são alvos de vandalismo


"Por anos, a gente reivindicou a revitalização da Beira Rio e da Navegantes. A prefeitura veio e fez o serviço. Só que, infelizmente, pouco tempo depois já estava tudo destruído de novo. Um pequeno grupo de pessoas não tem zelo pelo patrimônio público. Quem acaba sofrendo as consequências é o cidadão de bem", diz o presidente.

O parquinho na Praça Beira Rio, por exemplo, já está com os brinquedos quebrados e a cerca arrebentada. "É uma combinação de falta de manutenção com vandalismo. Agora, precisamos de uma nova reforma aqui", diz.
Já a quadra também é outro ponto que precisa melhorar. "Pedimos que seja feita a troca dos alambrados e das tabelas. Além disso, o ideal seria colocar uma cobertura, igual a quadra do Botafogo", sugere.

É importante frisar que, segundo o Art. 163 do Código Penal, destruir patrimônio público é considerado crime. A pena pode ser de detenção, de seis meses a três anos, mais multa, além da pena correspondente à violência.


No caso das pichações, apesar de acontecer impunemente, tal ato é considerado um crime, previsto na Lei. 9.605/98. De acordo com o Art. 65, a pessoa que for pega em flagrante pichando ou danificando edificações ou monumentos urbanos pode sofrer uma pena com multa e detenção, que varia de três meses a um ano.

O artigo é claro e diz que "se o ato for realizado em monumento ou coisa tombada em virtude do seu valor artístico, arqueológico ou histórico, a pena é de 6 (seis) meses a 1 (um) ano de detenção e multa".

Presidente cobra projeto prometido 

Sem dúvida, hoje um dos maiores problemas que a Barra de Macaé e seu entorno vivem é a mobilidade urbana. De acordo com o presidente do bairro, um grande projeto já foi elaborado pela prefeitura há cerca de três anos.
"Fizemos várias reuniões, e até hoje esperamos que tudo aquilo que foi discutido e acordado seja implementado", cobra Rogélio.

Mobilidade Urbana é uma das prioridades do bairro


Uma das solicitações é a instalação de redutores de velocidade na Avenida Luiz Lírio e na Rua Aurélio Cristiano da Silva. "Os motoristas circulam em alta velocidade. Se tiver um redutor, que aplique multa, eles vão pensar duas vezes antes de colocar em risco a vida dos outros", pontua ele, ressaltando que atropelamentos são comuns na região. "Os acidentes continuam acontecendo. São anos pedindo esses redutores e nada", completa. 

Veículos na contramão 

Outro problema antigo, que já foi debatido pelo jornal várias vezes, é o desrespeito no trânsito da Avenida Luiz Lírio. Moradores contam que alguns condutores ainda circulam pela contramão para cortar o trânsito da rodovia.

"Antes, tinha a presença dos agentes da Mobilidade nos horários de pico. Agora, nem isso tenho visto mais. Se com fiscalização o desrespeito acontecia, agora sem ela ficou inviável conviver com tal situação", denuncia Rogélio. 

Iluminação pública 

Situado em uma das áreas de maior vulnerabilidade social, a Barra também sofre com a violência. O medo é ainda maior à noite, principalmente nos locais onde a iluminação é precária. "Já fiz várias solicitações. Peço que a Emip envie uma equipe à noite para avaliar o nosso bairro e fazer o reforço nos locais mais críticos. Esse é um item que os moradores cobram muito aqui na associação", relata o presidente.

Moradores cobram reforço na iluminação na Brasília  


Para ele, o ideal seria o encarregado vir na parte da noite. "Não adianta olhar poste de dia apagado. Tem que andar aqui quando estiver escuro para pontuar os pontos onde existe a necessidade de troca de lâmpadas e fazer o serviço. Eu me proponho a acompanhar a equipe", sugere. 

O que diz a prefeitura

Procurada, a secretaria Municipal de Mobilidade Urbana informou que realizou estudo técnico e enviou um memorando autorizando a implantação de seis redutores na localidade. A implantação deles será realizada pela secretaria Municipal de Infraestrutura até o fim do ano.

Ela ressalta que a Barra vai contar com quatro agentes de trânsito nos horários de pico, sendo dois em frente ao 32º Batalhão de Polícia Militar, um na subida do coreto e outro em frente ao Banco Itaú. A proposta é proporcionar uma travessia de pedestres com segurança. Essa ação tem previsão para começar em 14 de novembro, em dois turnos, à manhã e à tarde.

Já quanto à reforma das praças, de acordo com a secretaria de Infraestrutura, a manutenção das praças Beira Rio e Pescadores será realizada em, no máximo, 15 dias, incluindo os reparos nos parquinhos. Uma licitação está em andamento que prevê a reforma de todas as praças do município, incluindo a cobertura da praça Beira Rio.

Quanto à iluminação, a Coordenadoria de Iluminação Pública, vinculada à secretaria Adjunta de Serviços Públicos, informa que está reforçando a iluminação da Barra de Macaé, na Rua Luiz lírio, em toda a sua extensão.

A Coordenadoria lembra que o trabalho de manutenção é contínuo. Para a solicitação de reparos é fundamental que a população entre em contato pelo número 156. O serviço funciona das 9h às 20h, de segunda a sexta-feira. A ligação é gratuita quando realizada de um telefone fixo. Também está disponível o número (22) 99979-5226, que funciona como atendimento de demandas via WhatsApp, diariamente.

Autor: Marianna Fontes marifontes@odebateon.com.br

Foto: Kaná Manhães


    Compartilhe:

Tags: bairros em debate


View Site in Mobile | Classic
Share by: