Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Moradores voltam a cobrar pavimentação de ruas em área nobre

E11 e E12 no Novo Horizonte não foram contempladas com o recapeamento feito pela prefeitura no bairro

Em 14/11/2017 às 15h11


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

Sem receber manutenção há anos, valas se formaram na Rua E12 Sem receber manutenção há anos, valas se formaram na Rua E12
Em meio a tantos problemas decorrentes da falta de infraestrutura no Novo Horizonte, a acessibilidade é um dos itens que precisam melhorar, segundo o relato dos moradores. Essa semana, um grupo deles voltou a procurar o jornal O DEBATE para mostrar os transtornos que o abandono do poder público tem gerado no cotidiano no bairro.
Um dos pontos mais críticos fica nas ruas E11 e E12, onde a pavimentação é precária. Há alguns meses, o bairro recebeu obras de recapeamento, contudo, essas duas vias não foram contempladas, situação que tem deixado os moradores indignados.

"É incrível como conseguem mexer em tudo, e aqui ninguém faz nada. Ouvi dizer que parece que enquanto não fizerem o esgoto aqui não vão asfaltar. O problema é que a rua está a cada dia pior", relata Juliana, moradora da E12. "Como moro no início, nem passo mais por ela, mas os vizinhos que moram mais no meio sofrem bastante para entrar e sair de suas casas", completa.

Quando chove, a situação ali não é diferente dos outros locais da cidade onde não há infraestrutura. Os moradores precisam enfrentar a lama para entrar ou sair de suas casas. Já em dias de sol, é a poeira e os buracos que causam problemas para quem vive ali. É interessante ressaltar que os investimentos feitos nessa área não representam apenas melhorias na questão da acessibilidade no bairro, mas também redução nos riscos à saúde pública, promovendo, consequentemente, a melhoria na qualidade de vida. A poeira gerada acaba contribuindo com várias doenças respiratórias, e quem geralmente mais sofre são as pessoas alérgicas e as crianças.

"Para mim, o barro que vem para dentro de casa é o pior. Tenho um bebê especial e ele sofre muito com a poeira. Ele faz uso de um respirador, que não deixamos de utilizar quando vamos à rua, pois nosso receio é que a poeira prejudique sua traqueostomia", conta.

Lembrando que a manutenção das vias está prevista dentro do Código Brasileiro de Trânsito (CBT), que garante que é dever das autoridades promoverem um trânsito seguro e de qualidade. De acordo com o Art. 1º, "o trânsito, em condições seguras, é um direito de todos e dever dos órgãos e entidades componentes do Sistema Nacional de Trânsito, a estes cabendo, no âmbito das respectivas competências, adotarem as medidas destinadas a assegurar esse direito". 

Autor: Marianna Fontes marifontes@odebateon.com.br

Foto: Kaná Manhães/Arquivo


    Compartilhe:

Tags: cidade


View Site in Mobile | Classic
Share by: