Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Funcionários fazem nova greve de ônibus na cidade

Segundo eles, paralisação tem como objetivo cobrar da empresa o pagamento do 13º salário atrasado

Em 16/12/2017 às 08h53


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

No Terminal Central, a Polícia Militar foi acionada para conter possíveis tumultos gerados pela paralisação dos ônibus No Terminal Central, a Polícia Militar foi acionada para conter possíveis tumultos gerados pela paralisação dos ônibus
Quem precisou utilizar o transporte público na manhã da última sexta-feira (15), acabou sendo surpreendido com uma nova paralisação dos ônibus na cidade.  Por volta das 7h, os coletivos pararam dentro e fora do Terminal Central e também do Parque de Tubos. Para evitar possíveis tumultos, devido a grande concentração de passageiros do lado de fora, a Polícia Militar foi acionada para reforçar a segurança.

A greve, segundo os trabalhadores do transporte rodoviário, tem como objetivo cobrar da empresa SIT o pagamento do 13º salário, que estaria atrasado. Um motorista, que pede sigilo da sua identidade, relata que os funcionários das outras empresas do grupo, a qual a SIT faz parte, já teriam recebido, no entanto, eles estariam sem previsão de serem pagos. 
"Estamos apenas cobrando um direito nosso. Eles tinham um prazo para pagar a primeira parcela ou então o integral até o final de novembro, o que não aconteceu. Circularam informações de que a própria SIT estaria apoiando a paralisação para pressionar a prefeitura, que não teria feito o repasse. Mas, independente disso, a gente só quer o que é nosso por direito", diz ele.

Por volta das 9h30, um representante esteve no Terminal Central conversando com os grevistas. "A empresa se pronunciou falando que vai pagar tudo no próximo dia 20 e ainda vai dar o adiantamento no dia 25. Esperamos que o prazo seja cumprido", completou.

A situação impactou drasticamente a rotina dos passageiros. Muitos buscaram alternativa para chegar ao seu destino. "Moro no Lagomar e trabalho no Bairro da Glória. Precisei arrumar uma carona para chegar no serviço. Realmente causou um transtorno na cidade, mas não tiro a razão dos funcionários de pararem. A empresa é milionária e só visa o lucro. O sistema de transporte em Macaé é precário. Está na hora de acabar com esse monopólio", diz Cláudia Silva.

Quem não conseguiu uma outra forma de se locomover acabou aguardando a paralisação acabar nos pontos de ônibus, que estavam lotados nas primeiras horas da manhã. "A empresa paga o vale-transporte. Eu não tenho como pagar um táxi ou Uber. O jeito é ficar aqui esperando até os ônibus voltarem a circular. É preciso ter paciência porque sabemos que depois disso a expectativa é de que eles passem lotados", diz Hélio Dias, morador do Parque Aeroporto. 


A paralisação chegou a gerar impactos no trânsito, principalmente nos locais próximos a concentração de ônibus. 
A nossa equipe de reportagem entrou em contato com a SIT Macaé para saber quais medidas a empresa iria adotar para tentar resolver o problema. A secretaria de Comunicação da prefeitura também foi procurada para esclarecer as informações de atraso nos repasses. No entanto, até o encerramento desta edição nenhuma das duas se pronunciou sobre o caso. 

Autor: Marianna Fontes marifontes@odebateon.com.br

Foto: Sylvio Savino


    Compartilhe:

Tags: cidade


View Site in Mobile | Classic
Share by: