Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Virgem Santa: Prazo não é cumprido e UBS segue abandonada

Obras de construção, que deveriam ter sido concluídas em dezembro de 2017, seguem paralisadas

Em 11/01/2018 às 12h25


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

Imóvel segue da mesma maneira que foi encontrado pela nossa equipe em outubro do ano passado Imóvel segue da mesma maneira que foi encontrado pela nossa equipe em outubro do ano passado
Mais uma promessa não cumprida. Segundo a prefeitura, a previsão para que as obras da Unidade Básica de Saúde (UBS) - Tipo um, na Virgem Santa, fossem concluídas era dezembro de 2017. No entanto, um mês depois, a população questiona o poder público quando os serviços serão retomados e finalizados. 

Além de não atender o prazo divulgado, a construção da UBS segue longe de ser finalizada. Fotos tiradas em outubro do ano passado mostram que o imóvel permanece da mesma forma até hoje, três meses depois. 
Segundo a prefeitura em novembro do ano passado, a unidade já possui estrutura, paredes e telhado, aguardando que sejam feitos o emboço, a colocação de portas, pintura, parte externa e muro. E assim segue até o momento. 

Nas diversas vezes que a nossa equipe esteve no local, dias e horários alternados, em nenhuma delas havia algum funcionário trabalhando. O abandono é reforçado pelos moradores, que dizem estar desacreditados de que ali, um dia, irá funcionar uma unidade de saúde.

"Pelo que podemos ver, isso está longe de acontecer. Durante anos era só o terreno cercado com a placa. Depois de tanto pressionar, começaram finalmente as obras em 2017. Entretanto, o prazo divulgado pela prefeitura não foi cumprido. Agora a gente quer saber o motivo. Por que parou tudo? Cadê o dinheiro público que foi destinado para isso? Cadê o Governo Federal fiscalizando? Eles acham que vão abandonar a obra e a população vai ficar calada. Queremos que os representantes do município se pronunciem sobre o caso, que as obras retomem e sejam concluídas", diz Rafael, que é morador do loteamento Quinta da Boa Vista. 

Antes do prazo de dezembro de 2017, a construção, orçada em cerca de R$ 800 mil, deveria ter sido entregue em 2016. "Denunciamos o problema ao longo de 2017 e nada foi feito. Qual será a nova desculpa da prefeitura agora? Essa unidade seria de grande importância para gente, já que o posto de saúde encontra-se em um local inadequado atualmente", diz uma moradora, que pediu sigilo do nome.

A obra está sendo construída na Rua Leôncio Rodrigues, em um terreno público cedido pela prefeitura. A previsão inicial era de que tivesse início no dia 9 de novembro de 2015, sendo concluída em 7 de março de 2016, o que não aconteceu, conforme mostram as denúncias feitas pelo jornal há cerca de dois anos.

Ainda na antiga placa informativa que existia no local, posteriormente retirada, a obra seria feita com recursos do Ministério da Saúde em parceria com o governo municipal.

A nossa equipe de reportagem procurou novamente a prefeitura. Segundo a secretaria de Comunicação, em nota, a previsão de retorno das obras é para este mês ainda. O governo municipal já notificou a empresa para reinício dos serviços. Caso a mesma não retorne com o trabalho, serão tomadas as providências legais.

Atendimento de 10 mil pessoas por mês

A prefeitura diz que a UBS irá oferecer os serviços de consulta médica com médico da família, atendimento de enfermagem, acompanhamento pré-natal, puericultura, imunização, curativos, visitas domiciliares, preventivo de câncer de colo de útero, coleta de exame laboratorial, além de acompanhamento de fisioterapia, nutrição, serviço social e equipe de saúde mental. A nova unidade terá capacidade para que seja feito o atendimento de cerca de 10 mil pessoas, sendo cerca de 50 a 60 pessoas/dia.

De acordo com o Ministério da Saúde, as UBS têm como objetivo atender até 80% dos problemas de saúde da população, que muitas vezes são resolvidos nos hospitais, causando, assim, o aumento na demanda e a demora nos atendimentos. Além de descentralizar os casos de menor urgência nos hospitais, elas facilitam o acesso das pessoas, que não precisam se deslocar para locais mais distantes. E faz parte da atenção primária junto às Equipes de Saúde da Família.

Autor: Marianna Fontes marifontes@odebateon.com.br

Foto: Kaná Manhães


    Compartilhe:

Tags: cidade


View Site in Mobile | Classic
Share by: